Especialista diz que responsável terá que ressarcir moradores sem seguro em explosão no Rio

Share

A explosão em um prédio de São Conrado, Zona Sul do Rio de Janeiro na manhã de segunda-feira (19), deixou muito moradores e vizinhos assustados. Com o ocorrido, todos os 72 apartamentos do edifício sofreram algumas danificações, além de prédios vizinhos. Para esclarecer quem terá que arcar com os prejuízos, o SRZD conversou com o presidente da Korsa Corretora de Seguros, James Theodoro.

“Os que não possuem seguro deverão avaliar quem foi o causador do dano e exigir do causador a reparação dos seus prejuízos. O fato de não possuir seguro não isenta do causador do dano ressarcir os prejuízos causados”, afirmou James.

Sem ter uma data para poder retornar aos seus apartamentos, que ainda estão sendo inspecionados e está interditado pela Defesa Civil, James Theodoro afirmou ao SRZD como os moradores, que tem seguro, poderão acioná-los.

“Em primeira análise, duas modalidades de seguro podem ser acionadas. O seguro de condomínio e o seguro residencial. O seguro do condomínio irá cobrir as áreas comuns do condomínio (garagens, halls de entrada, elevadores, playground, salão de festa, etc.). O seguro residencial irá cobrir cada unidade. A questão é entender se os moradores atingidos tinham o seu seguro residencial e, caso positivo, cada um irá acionar o seu”, disse.

James Theodoro também explicou como é o prazo para que cada morador, que tenha seguro, recebe o seu benefício. Ao SRZD, ele afirmou que o prazo pode levar cerca de um mês.

“A Superintendência de Seguros Privados (SUSEP) determina nos clausulados que após a entrega de todos os documentos solicitados pela seguradora e havendo cobertura técnica, quanto à indenização, o prazo máximo para indenização é de 30 dias após a entrega da documentação”, contou.

Revista Cobertura

Share