Setor de seguros cresce com novos consumidores

Share

Estimativa é que atividade apresente alta superior a 10% em 2015

Excluídos os números relacionados com a saúde complementar, o setor de seguros teve participação de 3,9% no PIB nacional em 2014, ano em que a emissão do mercado foi de R$ 194 bilhões, representando incremento de 9,2% sobre 2013. Para 2015, a previsão de crescimento varia de 8% a 10%.

Os planos de previdência, com R$ 81 bilhões, representaram 43% dos prêmios emitidos no ano passado. O faturamento dos seguros gerais, relativos a bens, patrimônios, responsabilidade civil e automotores, atingiu R$ 61 bilhões, resultado 6,8% superior ao ano de 2013. Os produtos de riscos participaram com R$ 27,6 bilhões, e os de capitalização, com R$ 21,8 bilhões.

Os principais indicadores do setor de seguros do Brasil foram apresentados por Julio Cesar Rosa, presidente do Sindicato das Seguradoras do Rio Grande do Sul e diretor regional da HDI Seguros, durante encontro na Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Caxias do Sul.

Segundo ele, o setor tem crescido, nos últimos anos, em torno de 250% acima do PIB brasileiro. Atribui a expansão à grande base de clientes, que ainda não foi totalmente atingida. “Começaram a chegar classes que não consumiam seguros”. Mesmo confiante com a manutenção dos índices de alta, o dirigente acredita que o setor também sofrerá com a recessão econômica em 2015. “A redução dos empregos e da renda se reflete no mercado de seguros.” Os produtos de maior demanda das novas classes consumidoras são os seguros considerados básicos, como os residenciais, automotivos e de vida.

Destacou que apenas 5% da população do Brasil contrata seguro de vida, sendo 10% das classes A-B, 3% da classe C e 1% das classes C-D. A Região Sudeste concentra 67% destes contratos, ficando a Região Sul com 16%.

CQCS

Share