Associações de fachada vendem falso seguro chamado de “proteção veicular”

Share

Já está circulando a edição número 17, com as denúncias levantadas e catalogadas pela direção do CCS-RJ, que serão encaminhas à Fenacor e ao SindSeg-RJ para providências junto à Susep e ao Ministério Público

Patrocínio e anúncio em programa jornalístico de rádio de grande audiência no estado, oferta de descontos, capazes de atrair o Sindicato dos Servidores da Polícia de Minas Gerais, imitação de logomarca do maior grupo segurador brasileiro para confundir a clientela, além de outras mazelas e irregularidades, é o triste quadro que a diretoria do CCS-RJ vem encontrando no Rio de Janeiro e outros estados.

No Rio, formou-se um polo de concentração de serviços destas empresas, que oferecem até um Centro de Atendimento Expresso, inspirado no modelo das grandes seguradoras. Nada escapa às “empresas marginais” de venda de seguro. “E o maior prejudicado”, diz o presidente do CCS-RJ, Jayme Torres, “é o conjunto do mercado (seguradoras, corretoras, órgão de fiscalização, entidades do setor e, principalmente, o consumidor, o segurado), que ficará com uma péssima impressão do mercado de seguros”, afirmou.

Nesta 17ª edição do Jornal do CCS-RJ, conheça as denúncias que o Clube está fazendo, em conjunto com as entidades de representação do setor para que estas empresas sejam afastadas do mercado.

Tem também reportagem com Armando Vergilio, presidente da Fenacor, condecorado pelo CCS-RJ pelos 50 Anos da regulamentação da Lei que instituiu a profissão de corretor de seguros, comemorados em dezembro de 2014. O líder da categoria mostrou resultados positivos obtidos com o ingresso dos corretores no Supersimples: De janeiro a maio deste ano, as empresas corretoras de seguros que obtiveram registro para funcionar cresceram 93% em comparação ao mesmo período de 2014.

Além disso, o jornal registra o passeio ciclístico promovido pela Porto Seguro com os associados do Clube pelo Rio Antigo; anuncia o projeto de Lei 1.700/2015, do deputado Lucas Vergilio, que regulamenta a obrigatoriedade da expedição da carteira de identidade profissional do corretor de seguros e traz o andamento da Comissão da Fenacor, presidida pelo diretor do CCS-RJ, Amilcar Vianna, para regulamentação dos corretores de seguro saúde.

E tem mais novidades. Nesta edição começamos a divulgar a história do CCS-RJ a partir de 1988. O material de pesquisa foi cedido pela jornalista Ângela Cunha, Superintendente de Comunicação da CNSeg, que era responsável pela Revista Prêmio, veículo de informação do CCS-RJ na época. “Nossos agradecimentos à jornalista pela valiosa colaboração à memória do Clube”, registra o presidente Jayme Torres.

Para ler o jornal, basta entrar no site do CCS-RJ: www.ccsrj.com.br.

CQCS

Share